O processo de beatificação
processo beatificazione02 PORTOGHESE.jpg

OS PASSOS DO CAMINHO EM DIREÇÃO À  SANTIDADE

As virtudes heróicas de Madre Francisca "em processo"

1931. Vinte anos após sua morte, Madre Francisca está mais viva do que nunca no coração das Irmãs da Mãe Dolorosa. E não apenas neles. Sua vida santa é definida e guardada com reserva silenciosa na memória de muitos que a conheceram.
Em Castel Sant'Elia, a cidade onde ela passou os últimos anos de vida e onde morreu, todos ainda se lembram do sussurro devotado das pessoas que, no dia de seu funeral, diziam: “Madre Francisca não precisa de nossas orações. Ela é santa e é ela quem deve rezar por nós ”.
 
"Uma santa": essa certeza expressa por muitas vozes, que chamamos de "fama da santidade", foi o impulso ousado que deu início ao processo de beatificação de Madre Francisca.
 
Vamos aos fatos. Em 1931, as Irmãs da Mãe Dolorosa elegeram a Superiora Geral da Congregação Ir. M. Wendelina Bauer, uma grande admiradora da vida santa de Madre Francisca. A nova Superiora imediatamente solicitou a opinião de suas delegadas sobre a oportunidade de dar os primeiros passos para abrir o processo de beatificação da Fundadora.
 
Ir. Kiliana escreve: “O anúncio da Madre Geral causou grande alegria no coração das delegados; a maioria das irmãs reunidas em Roma para o Capítulo Geral conhecia Madre Francisca pessoalmente e testemunhara a santidade de sua vida ".
Nesse ambiente de alegria e entusiasmo, em breve se iniciou o processo de beatificação e canonização de Madre Francisca. Os requisitos para a introdução da causa estavam todos lá: a exemplaridade da vida, a influência positiva das ricas virtudes, a fecundidade apostólica, a morte edificante.

AS VÁRIAS ETAPAS

santi di Dio.jpg

Em 12 de novembro de 1936, o Mons. Luigi Maria Olivares, bispo diocesano de Nepi e Sutri, deu permissão para iniciar o processo diocesana de beatificação.

  • Em 22 de fevereiro de 1937, o processo diocesano foi aberto solenemente em Nepi. M. Francisca é declarada "Serva de Deus".

  • Em 13 de junho de 1947, o Papa Pio XII aceitou o pedido de abertura do Processo Apostólico. 

  • Em 10 de maio de 1949, os restos mortais da Serva de Deus são colocados na capela da casa das Irmãs.

  • Em 30 de maio de 1963, o Papa João XXIII confirmou a continuação do processo de beatificação.

  • Em 27 de março de 2010, o Sumo Pontífice Bento XVI, acolhendo e ratificando os votos da Congregação para as Causas dos Santos, disse: “As virtudes teologais da Fé, Esperança e Caridade, tanto para com Deus como para com o próximo e as virtudes cardeais da Prudência, Justiça, Temperança e Fortaleza e as anexas, no mais alto grau heróico, da Serva de Deus Maria Francisca da Cruz (no século conhecida como Amalia Francisca Rosa Streitel), fundadora do Instituto das Irmãs da Mãe Dolorosa ". Agora Madre Francisca é "Venerável".