Os familiares O PAI ADAM

"Queremos nos encontrar no silencioso tabernáculo de San Gangolf

e ali unir nosso amor sacramental, levando a Deus o nosso ser,

nossa adoração e nosso louvor».

Madre Francisca Streitel

«MEU AMADO PAI»

Adam Streitel nasceu em Kallmünz, Oberpfalz, em 12 de novembro de 1808. Embora os ancestrais da família Streitel tenham sido guardas florestais na Baviera por cinco gerações, novos horizontes se abriram para Adam. Ele frequentou primeiro o ginásio em Amberg, Oberpfalz, depois em Nuremberg e finalmente concluiu seus estudos jurídicos na Universidade de Munique. Portanto, ele escolheu seguir a carreira do judiciário e realizou seu estágio no Tribunal Distrital de Ingolstadt e Amberg.

Adam Streitel
Adam Streitel

press to zoom
Brasão da família Streitel
Brasão da família Streitel

press to zoom
Selo da família Streitel
Selo da família Streitel

press to zoom
Adam Streitel
Adam Streitel

press to zoom
1/6

HOMEM HONESTO E PRUDENTE

O jovem Adam é um homem honesto e prudente. Animado por sentimentos nobres, ele zelosamente segue sua profissão e manifesta abertamente seus princípios religiosos: um testemunho que naquela época exigia grande coragem.
Não devemos esquecer que, naquele período histórico, foram coletados fragmentos do desordem da secularização de 1803, comparáveis ao que aconteceu na França após a Revolução Francesa, com a supressão de bens eclesiásticos e o fechamento da maioria das universidades católicas. Centenas de abadias e muitas fundações católicas fecharam suas portas e seus bens passaram para as mãos dos governos laicos. E é precisamente a Baviera católica que inicia a secularização dos mosteiros, enquanto o liberalismo se espalhava amplamente, especialmente entre as pessoas cultas.

UMA FAMÍLIA ESTIMADA PELAS PESSOAS

Lemos nos testemunhos do processo de beatificação de Madre Francisca: "Os Senhores Streitel eram de religião católica, praticantes até ao ponto de ouvir diariamente a missa das seis horas, eram de excelentes costumes e muito estimados entre as pessoas» (Madre Johanna Ankenbrand). É uma nota que contraria essa classe de funcionários, alguns até católicos, que adotaram ideias liberalistas.
Em 13 de fevereiro de 1844, Adam Streitel casou-se com Franziska Hörhammer e, no mesmo ano, foi promovido a conselheiro do Tribunal Distrital de Mellrichstadt. Em 1857, ele obteve o cargo de juiz no Tribunal de Weyhers, mas cinco anos depois, em 1862, ele retornou a Mellrichstadt para assumir o cargo de presidente de distrito.
Aos 65 anos - estamos em 1873 -, dando o seu melhor, ele se aposentou e se mudou com sua família para Bamberg. Aqui, em 13 de fevereiro de 1894, ele celebrou o jubileu de ouro com sua esposa. Madre Francisca não estava presente no evento, mas chegou até eles por meio de uma carta: «Queridos pais, no dia do seu jubileu, orem por mim, por nossa Congregação, porque vocês também fazem parte dela diante de Deus ...».

Madre Francesca escreve ao pai

"Caminhamos em um corpo frágil ..."

Em uma carta de 13 de novembro de 1886, refletindo sobre a saúde instável de seu pai, Madre Francisca, como para indicar no sofrimento um desafio para crescer na fé, escreveu:

«Pequenas doenças nos mostram que caminhamos em um corpo frágil, como estrelas que nos guiam a Deus, nossa única e eterna meta; não esqueçamos que um dia devemos deixar este vale de lágrimas para tomar posse da herança eterna. Tudo isso é apenas uma passagem e somos abençoados se isso for para o bem».

SOFFIONE.jpeg

UM BOM PAI

Pouco depois, as doenças da velhice e da saúde instável começarão a minar permanentemente o corpo do pai idoso. A essa altura, cheio de anos e afetos, exauridos por severos sofrimentos físicos, o magistrado idoso Streitel celebrará essa 'passagem' em 9 de junho de 1894, com quase 86 anos de idade. Sua filha Francisca, próxima dos irmãos ao redor do caixão, estava presente em seu enterro, repetindo certamente em seu coração o que ela já havia expressado em uma carta de saudação: «Agradeço pelos sacrifícios e pelo amor que você me deu». E parando, na solene encruzilhada da morte de seu pai, comenta:

 

«Nunca antes vi uma pessoa morta expressar paz tão profunda, como meu amado pai. Aqueles que o viram acreditavam que ele dormia; todos foram edificados por sua santa morte. A dor de minha mãe idosa, então com 76 anos, é profunda, assim como a de meus irmãos, que acham difícil compreender o ter perdido um pai tão bom. Amanhã haverá enterro e terça-feira haverá um réquiem».

 

Marcada pelo desapego e pela perda, Madre Francisca preservará ao longo do tempo uma memória viva do amor paterno, como ela mesma escreve: «Muitas vezes, em momentos tristes, ele está muito perto de mim, me ajuda e me consola, portanto, como gratidão, ofereço orações e sacrifícios».

Uma carta de oração escrita por Adam Streitel para sua filha Francisca da Cruz

Deus coroe com os mais belos frutos seu fervor pela humanidade sofredora

20 de dezembro de 1892

Minha querida filha Francisca da Cruz,

o ano velho vai embora, um novo ano começa seu curso misterioso. Deus nos presenteou este ano com muitas graças. Que Ele seja sempre louvado, em glória, e nossos agradecimentos inexprimíveis vão a Ele! E como o homem sempre tem uma oração a fazer, que o excelente Pai, no ano novo, imponha Sua mão de bênçãos sobre você, fortaleça sua saúde e coroe com os mais belos frutos seu fervor pela humanidade sofredora. Reze, querida filha, por seus pais, por você e por seus irmãos e irmãs. Que Ele te mantenha saudável por muitos anos, e o mesmo aconteça com a Rosa; esta é a minha oração diária e a da boa mãe. Seja gentil em também dar a minha cunhada Rosa meus mais cordiais desejos para o ano novo. Esteja bem.

Teu pai